Bandeirantes/MS, 24 de junho de 2024

Redes Sociais

Médico do ES vai ao RS ajudar vítimas das enchentes, tem infarto e está em estado grave na UTI

O médico anestesista Walter José Roberte Borges, de 50 anos, que é natural de Linhares, no Norte do Espírito Santo, sofreu um infarto na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul, no início desta semana, enquanto estava na cidade para ajudar vítimas das enchentes. Segundo a família, exames indicam que ele está em estado vegetativo.

Walter viajou com um grupo de médicos devido ao aumento da demanda por profissionais da saúde provocado pelas inundações no estado gaúcho. Borges é morador de Vila Velha, na Grande Vitória.

Na última segunda-feira (20), Walter saiu no meio de uma cirurgia no Hospital Universitário de Pelotas, mas não retornou. Segundo o cunhado do médico, Herik Assis, ao procurá-lo, profissionais o encontraram já desacordado, dentro de um banheiro. Apesar de fumar, ele não tinha histórico de problemas de saúde.

“Ele passou mais de 8 minutos sem oxigenação. Agora foram diagnosticadas algumas lesões cerebrais que indicam estado vegetativo. Ele é rodeado de médicos na família, e eles se juntaram para pedir uma ressonância, até para a família entender o que pode ser feito para melhorar a qualidade de vida nele”, afirmou Assis.

Família tenta levar médico para o ES

Desde que sofreu o infarto, no dia 20, Borges está internado na Unidade de Terapia Intensiva em um hospital de Pelotas. A família tenta levá-lo para o Espírito Santo, para ser tratado perto da família. “Ele foi para lá entregar o trabalho dele, e agora a gente só quer trazer ele de volta”, contou o cunhado.

Segundo Assis, a equipe médica gaúcha entendeu que mudá-lo de hospital não traria melhora no quadro de saúde e, portanto, não haveria necessidade de transferência. A família, no entanto, tenta conseguir o translado do anestesista, para que possa continuar a ser cuidado pelos familiares.

“Ele é nascido e criado aqui. A família dele é do Espírito Santo, e ele está lá. Como família, a gente acha pode fazer alguma coisa. Mas, por ser um paciente do SUS, não conseguimos nem a condição de fazer um deslocamento privado”, relata o familiar.

A família buscou orientação junto à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), aqui no Espírito Santo. A pasta já teria manifestado que pode intervir para fazer o translado, mas o hospital gaúcho tem que autorizar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leia Também